Exu por Jorge Amado

Não sou preto, branco ou vermelho
Tenho as cores e formas que quiser
Não sou diabo nem santo, sou Exu!
Mando e desmando
Traço e risco
Faço e desfaço
Estou e não vou
Tiro e não dou
Sou Exu.
Passo e cruzo
Traço, misturo e arrasto o pé
Sou reboliço e Alegria
Rodo, tiro e boto,
Jogo e faço fé.
Sou nuvem, vento e poeira
Quando quero, homem e mulher
Sou das praias, e da maré.
Ocupo todos os cantos.
Sou menino, avô, maluco até
Posso ser João, Maria ou José
Sou o ponto do cruzamento.
Durmo acordado e ronco falando
Corro, grito e pulo
Faço filho assobiando
Sou argamassa
De sonho carne e areia
Sou gente sem bandeira
O espeto, meu bastão
O assento? O vento!…
Sou do mundo, nem do campo
Nem da cidade,
Não tenho idade.
Recebo e respondo pelas pontas,
Pelos chifres da nação
Sou Exu.
Sou agito, vida, acção
Sou os cornos da lua nova
A barriga da rua cheia!…
Quer mais? Não dou,
Não tô mais aqui

Jornal Exercito de OXALÁ Agosto 2008

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s