Oxumaré

OxumaréDia: 24 de Agosto
Sincretismo: S. Bartolomeu
Cor: as do arco-íris
Dia da semana: quinta-feira
Símbolo: Dã. (serpente enrolada numa árvore,simbolizando o poder da adaptação)
Comida: batata-doce
Saudação: Arrobobô Oxumaré!

Oxumaré é um Orixá bastante cultuado no Brasil, apesar de existirem muitas confusões a espeito dele. Não se pode nem dizer que seja um Orixá masculino ou feminino, pois ele é as duas coisas ao mesmo tempo: metade do ano é macho, a outra metade é fêmea. Por isso mesmo dualidade é o conceito básico associado a seus mitos e arquétipos.
Essa dualidade omnipresente faz com que Oxumaré carregue todos os opostos e todos os antónimos básicos dentro de si: bem e mal, dia e noite, macho e fêmea, doce e ama
rgo, etc. Nos seis meses em que é uma divindade masculina,é representado pelo arco-íris, que, segundo algumas lendas, é a ponte que possibilita que as águas de Oxum sejam levadas ao castelo no céu de Xangô. Nos seis meses subsequentes, o Orixá assume a forma feminina e se aproxima de todos os opostos do que representou no semestre anterior. É, então, uma cobra, obrigado a se arrastar gentilmente tanto na terra como na água, deixando as alturas para viver sempre junto ao chão, perdendo em transcendência e ganhando em materialismo. Sob esta forma, segundo alguns mitos, Oxumaré encarna sua figura mais negativa, provocando tudo que é mau e perigoso.
São persistentes e pacientes, não medindo esforço para atingir seus objectivos. São generosos ou avaros, conforme a situação económica em que se encontram. Agitados e observadores, procuram constantemente o equilíbrio e a harmonia. E sua grande força é a eloquência e a inteligência, armas que usam com muita habilidade na situação de ataque e defesa.
Oxumaré entretanto possuía grande capacidade adaptativa e, mesmo sem membros para locomover-se, aprendeu a subir em árvores, a caçar para comer, a colher as batatas-doces de que tanto gostava, a nadar e possuía imensa astúcia e inteligência. Orumilá, o deus da adivinhação do futuro admirando-se e apiedando-se dele tornou-o um Orixá belo, de sete cores de luz, encarregando-o de levar e trazer as águas do céu para o palácio de Xangô. É Oxumaré portanto quem traz as águas da chuva e é a ele que se pede que chova. Como seu percurso era longo, Oxalá, seu pai, fez com que ele tomasse a forma do arco-íris quando tivesse esta missão a realizar. Com as águas da chuva, Oxumaré traz as riquezas aos homens ou a pobreza. Oxumaré vive com sua irmã Ewá no fim do arco-íris.

Carla Pereira
Jornal Exercito de OXALÁ Agosto 2008

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s