CABOCLOS

Cor – Verde (variável perante a linha)
Símbolo – Arco e flecha
Pontos da Natureza – Matas
Flores – todo o tipo de folhagem
Essência – a caça e cura
Dia semana – Quinta-feira
Elemento – Terra e ar
Bebida – Vinho licoroso
Comidas – Frutos
Data comemorativa – 20 de Janeiro
Sincretismo – os índios que Habitavam a território brasileiro.


Umbanda, religião e ciência, absorção das vibrações cósmicas que actuam sobre a natureza. Congregação de entidades que se apresentam em formas diversas, espargindo o bem, a necessária ajuda ao ser humano. Dentre os Protectores que se agrupam em Falanges, uma se destaca notadamente pela pujança, vigor e por que não dizer, pela presteza com que se apresenta auxílio aos necessitados: a Falange dos Caboclos. 
Originariamente, a palavra caboclo significa mestiço de branco com índio, mas, em nossa percepção umbandista, nos referimos aos indígenas que em épocas remotas habitaram diversas partes de nosso planeta, numa civilização aparentemente primitiva, mas na realidade de grande sabedoria. Remontando ao passado, verificamos que tudo começou no dia 12 de Outubro de 1942, quando Cristóvão Colombo chegou a Ilha de São Salvador e lá encontrando seus habitantes, deu lhes o nome de “índios”. Daquele momento até a presente data, muitas coisas aconteceram, desde a catequização iniciada naquela oportunidade, principalmente com as tribos TAINOS E ARAWAK, cujos alguns elementos foram levados para a Espanha, até meados do século passado, quando se processaram dentro do Espiritismo as primeiras manifestações espirituais, atribuídas por diversos autores a índios pele-vermelha que ainda num primitivismo procuraram uma comunicação, através de pancadas e ruídos, até então não identificados, Todavia, foi no Brasil que estes espíritos indígenas, de diferentes posições geográficas, encontraram, dentro de uma Espiritualidade, a verdadeira oportunidade de evoluírem, cada vez mais, através do auxílio prestado a nós, seres carentes de ajuda.
No Brasil sim, porque é nesse País que se pratica a Religião do século XXI, ou seja, a Religião do Futuro, a Umbanda.
Todos sabemos que a Umbanda tem a sua origem nos cultos afros trazidos para o nosso continente, principalmente pelos escravos que aqui aportaram. Todavia, nestes mesmos “cultos afros” não encontramos a presença dos Caboclos e Preto Velhos, Falanges de Espíritos que somente se apresentaram e se incorporaram como parte importantíssima à Umbanda.
Portanto, Caboclos e Pretos Velhos fazem parte da “Umbanda Brasileira”.
Nos Templos Umbandistas, nos Centros, nos Terreiros, a caridade praticada pelas Falanges acima citadas é incomensurável. É de se salientar, porém, que a Umbanda, Religião e Ciência, é praticada somente no Brasil e, assim sendo, agrupou espíritos que, embora em suas encarnações tenham vivido em outros países, espiritualmente se identificam perfeitamente na vibração, no modo de vida quando encarnados.
Assim, nas Falanges diversas de Caboclos encontramos não só os índios que habitam o nosso Brasil, mas também os que viveram nos Estados Unidos da América do Norte, os Astecas e Maias na América Central, os Incas no Peru, e demais indígenas que povoaram a América do Sul.
Falar se em Caboclo, na Umbanda, é fazer se menção a todos eles, que com denominações diversas, actuam em nossos Terreiros e que, com humildade, como muito bem recomenda a Espiritualidade, se omitem em detalhes referentes às suas vidas quando encarnados, deixando nos ávidos por conhecermos seus feitos, surpreendendo nos, muitas vezes, por captarmos entre linhas que, aquele humilde caboclo que hoje se apresenta até nós, tenha sido um Cacique de grande porte ou pagé praticante de uma alquimia, que nada fica devendo à química moderna, iremos nos reportar a diversas tribos que existiram e desapareceram num confronto com a evolução dos tempos, com o mundo moderno do homem branco, procurando analisar, dentro das limitações, a presença desses espíritos, hoje, em nossa Umbanda.
Mas a concepção de caboclo vai muito para além disso, os caboclos não enceram em si próprios o simples facto de serem uma entidade, mas são também a manifestação mais directa do Orixá de cada médium. Através de manifestações dadas por esta entidade, é possível que o orientador espiritual veja a necessidade do Orixá do médium em dado momento, sendo o caboclo, quase que, a boca do Orixá de cada filho da corrente mediúnica.
Para além disso, ainda poder-se-á afirmar que, grande parte dos caboclos vêm nas linhas de Oxossi, o rei das matas, de Xangô o rei da Justiça, e ainda, na linha de Ogum, o senhor da guerra e dos seus instrumentos forjados à ferro.

Jornal Exercito de OXALÁ Agosto/Setembro 2013

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s